Silas Malafaia e Cláudio Duarte: duas faces da mesma moeda

9
112

Nesta semana, a televisão brasileira foi o laboratório ideal para mostrar como as lideranças evangélicas podem influenciar positivamente ou negativamente o país. Duas entrevistas se transformaram em espaço ideal para reflexão sobre devemos nos comportar e influenciar as pessoas.

No “programa do Ratinho”, o pastor Claudio Duarte foi convidado para falar seu trabalho com casais. Sua fala fácil, carisma, empatia e didatismo para expor a bíblia e as regras para um casamento exitoso fizeram com que o apresentador lhe deixasse no palco durante todo o programa.

Detalhe: Duarte não fugiu de nenhuma pergunta, assumiu suas posições conservadoras, colocou-se contra o casamento entre homossexuais e até de casais frequentarem motéis. Mas em momento algum emitiu alguma frase que enunciasse preconceito ou diferença. Expôs sua opinião e ponto. E com muito bom humor.No final, ele deu uma palestra dirigida as mulheres da plateia.

Confesso que não concordei com várias posições do pastor, mas o modo coloquial e ameno de suas falas prenderam minha atenção e não me provocaram repulsa ou reprovação.

Mais tarde, o programa “Na Moral”, apresentado por Pedro Bial, teve como tema o “Estado Laico” e um dos convidados era o pastor Silas Malafaia. Quem frequenta este blog sabe de nossas posições refratárias em relação ao modo como Malafaia se coloca no debate perante a sociedade. Dessa vez não foi diferente.

Para começar, sua postura era de ressentimento e de incomodo com a presença de representantes da igreja católica, candomblé e um representante da associação dos ateus. Toda a vez que a câmera focalizava Malafaia sua expressão era fechada, quase de raiva.

Na hora do debate, levantou a voz para o representante dos ateus e tentou de todas as maneiras limpar a imagem dos evangélicos. Nessa ânsia de construir um mundo de sonhos, Malafaia cometeu dois erros graves. A primeira foi a de se recusar a admitir que existem pastores milionários. Claro e evidente que sabemos ser uma minoria. Mas existe e a mídia coloca o holofote nestas pessoas todos os dias.Deveria admitir e ponto.

Posteriormente, no final do programa, afirmou que o ensinamento dado as crianças na Escola Dominical e mesmo nos cultos é que não massacre outras religiões. Outro equívoco.

Quem frequenta uma igreja evangélica sabe que, na maioria das vezes, o discurso adotado são de criticas contundentes, de púlpito, a pessoas que abraçam o catolicismo, espiritismo, candomblé e a qualquer outra orientação religiosa. E temos que admitir: nos portamos sim como donos da verdade. Com isso, prejudicamos tremendamente o discurso da tolerância e da convivência pacífica.

Se pessoas gostam de Silas Malafaia, não há como negar que ele tem algum valor. Porém, é com atitudes do pastor Cláudio Duarte que, nós, evangélicos, podemos ser ouvidos e respeitados na sociedade. Agora, não dá para entender o seguinte: Duarte já compareceu e pregou na igreja de Malafaia. Como este nunca aprendeu nada? Dureza…

SHARE
Previous articleSão Paulo venceu o Benfica. E daí?
Next articleRogério Ceni treinador do São Paulo? Antes, algumas mudanças são necessárias…
Elias Aredes Junior é jornalista, radicado na cidade de Campinas, Estado de São Paulo. Trabalha como repórter esportivo para o Jornal Todo Dia de Americana e também como comentarista esportivo para a Radio Central AM de Campinas, 870 KHz. Diariamente participa dos comentários na programação esportiva entre as 18:00 e 20:00, além de comentar jogos de futebol nas transmissões ao vivo da emissora. Aqui ele fala sobre tudo, futebol, esporte, política, religião, entretenimento, cultura, culinária, tudo isso sempre com seu olhar crítico e independente.

9 COMMENTS

  1. Infelizmente em uma sociedade que se prega o individualismo, à falta de amor ao próximo e incitação do ódio entre as pessoas, será inevitável não termos discordância no meio religioso, já que a mesma é tão combatida por aqueles que não a toleram.
    O pastor Silas malafaia sempre deixou bem claro que exitem pessoas ruins em todo o tipo de lugar inclusive no meio dos evangélicos, não venha tentar deturpa a palavra do pastor, com publicações infames; Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” (1Co 9. 13-14) Os que servem ao evangelho têm o direito de receber o seu sustento pelo trabalho que fazem. Um direito bíblico. De onde vem esse sustento? Do próprio evangelho.

  2. Sou católica e meu marido vem de uma família evangélica.
    Em nenhum momento temos conflitos em relação a religião. Levo meus filhos à missa e eles já foram com a avó aos cultos na igreja dela. Sou prova viva de que podemos conviver (evangélicos e católicos) com respeito.
    Vi uma entrevista do Pastor Cláudio Duarte no ano passado no programa do Ratinho e depois disso, eu e meu marido, sempre procuramos na internet as palestras e cultos dele.
    Não posso opinar em relação ao Malafaia, mas percebi o distanciamento dele na tal entrevista.
    Como em todos os lugares encontramos pessoas iluminadas e nada tem a ver com religião.
    Somos todos iguais e o que devemos pregar: respeito!

  3. Bom, o irmão citou a cima que nós evangelicos nos achamos donos da verdade. Mas se eu não achasse que Cristo é a unica verdade e o unico caminho, não o serviria. Também não entendo quando reclamam que ensinamos as nossas crianças contra idolatria, feitiçaria, espiritismo…por axaso nessas religiões que o irmão citou eles ensinam aos seus filhos a seguirem o evangelho? A questao é que o mundo ama o que é seu,por isso em um debate onde estiver um Pastor e outros representantes religiosos o unico que vai ser criticado com enfase é o pastor, ainda mais im pastor que fala a verdade sem papas na lingua, por isso a perseguiçao. Essa é minha opiniao, nos nao somos donos da verdade, a verdade que é nosso dono, a verdade é Cristo, o resto é história.

  4. Primeiro, quero parabenizar pelo artigo. Objetivo, bem escrito.
    Sou espírita há mais de quinze anos. A melhor escolha da minha vida, da qual não me afasto, por constituir, desde então, parte de minha essência.
    Ser espírita, no entanto, não faz de mim uma pessoa alienada, voraz combatente das escolhas espirituais alheias. Respeito-as. Entendo-as, sempre que possível. Se não as compreendo, também não as condeno ou busco expô-las ao ridículo. Não tenho, jamais terei, e creio que ser vivente nesta Terra, ostenta tal direito.
    Meu noivo é evangélico. Minha família, por sua vez, é católica. Nossa convivência é a melhor possível, sem atritos ou discussões estéreis.
    A partir do meu ponto de vista neste sentido e da minha conjuntura familiar e afetiva, é que devo, sempre, discordar diametralmente do discurso do Pastor Malafaia. Totalmente alienante, carregado de conceitos distorcidos e perniciosos, que, infelizmente ganham relevo em toda uma comunidade, graças à sua inconteste liderança e autoridade, fortalecedoras da ignorância e de um preconceito violento, não digo de fato, mas ideológico, emocional, moral.
    Aliás, o Sr. Malafaia é própria feição da repulsa e do ódio ao próximo que não seja harmonioso com o seu modelo de viver.
    Como uma pessoa assim pode pregar as palavras do Cristo?
    Pois bem. Isto rende calorosa discussão. Propriedade e conhecimento bíblico nada dizem se desprovidos do sentimento maior que Jesus nos ensinou: Amor.
    Já estive em cultos evangélicos e tive a feliz oportunidade de escutar palavras belíssimas, muito diferentes daquelas proferidas pelo referido pastor.
    Também não sou partidária de uma frase muito empregada nos meios cristãos. Certas pessoas são homens ou mulheres de Deus e por isso são seres praticamente intocáveis, suas palavras (ou a interpretação que fazem da palavra de Deus) são leis, cegamente seguidas.
    Concordo, sim, que todos nós (católicos, protestantes, espíritas, etc) somos, antes de tudo, humanos e falíveis, constantemente falíveis. Logo, o Sr Malafaia, ao meu ver, erra e muito com seu discurso pesado.
    Quanto ao comentário de MONIQUE, quero esclarecer-lhe, por entender que você encontra-se em triste ignorância, que o espiritismo não é propriamente uma religião, mas uma doutrina, acessível a qualquer interessado e sem qualquer exigência; o espiritismo tem como seu maior Mestre Jesus Cristo, salvador da humanidade da Terra; o espiritismo, como qualquer religião cristã, estuda com afinco o Evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo; as crianças/filhos, cujos pais são seguidores da doutrina espírita, são educadas a partir do Evangelho. O mais importante, o espiritismo é uma doutrina de libertação pelo esclarecimento que prega, sobretudo, o amor ao próximo, donde derivam o respeito, a compreensão, o auxílio, o amor fraternal, a ausência de preconceitos e a não discriminação de qualquer irmão. No mais, apenas buscamos colocar em prática a parcela de Cristo que reside em nós!

  5. Se todos olhasse para a verdade que é a palavra de cristo Jesus. e não em programas que só quer Aodiencia colocando pastores e outra entidade religiosa uns contra os outros se meditarmos na Biblia ai não a veria descordancia quem ta certo ou errado.a palavra de Deus diz erreis por não conhecer a verdade e a verdade é a palavra de Deus. Se SILAS esta correto ou não só Deus pode julgar, lembre-se o que gamalie disse em Atos cp 5 vc35,36,37 se este conselho ou esta obra for de homem se desfará mais se for de Deus não pode desfazelas.

  6. acho,o pastor silas um homem,serio e que nao fala nada que nao esteja relacionado,na blibia,por tanto um servo de DEUS tem que seguir os principios blibico,nunca soube e nunca viei o pastor criticar,um servo de DEUS,agora criticar comportamento,sim ele ta certo tem que criticar,muitos nao gosta do silas, por causa disso,sou cartolico,mais adoro escutar as palavras do pastor com certeza um homem de DEUS,parabens pastor o senhor e uma liderança muito importante,para o povo de DEUS ,e nao e so admirado,por evangelicos nao e por todos aqueles que teme a DEUS

  7. Mano, você tá confundindo temperamento com posturas. Pedro devia falar gritando. Homem pobre, grosso, pescador, pouco instruído…

    João só amava, beijava, a linguagem era poética (com alguns aspectos sociais como de Pedro).

    Eram diferentes e os dois expunham a mesma palavra de Deus.

    Me ajuda! Quem quer ver Cláudio, vê Cláudio; quem gosta de ver Silas, ve Silas!

    Como me agrado dos dois, vejo os dois…

    Eles não tem que aprender temperamento um com o outro. Se algo estiver errado, deixe o Espírito Santo fazer o trabalho que é dele.

  8. Eu acredito muito na liberdade de expressar opiniões, sobre qualquer que seja o tema ou no caso pregadores como pastor Duarte, Silas. Sou Católico praticante busco na palavra de Deus um caminho, conselho tudo para direcionar minha vida. Mas acredito que nós deveríamos gastar mais o nosso tempo evangelizando cuidando daqueles que precisam de uma palavra um conforto, já basta estarmos vivendo um tempo onde não se fala mais em comunhão comum-união entre todos, vamos abaixar nossas armas, sabemos que o tentador veio para destruir, roubar e matar, mas ele não esta mais preocupado com isso pois nós ja estamos fazendo o serviço que é dele. vamos orar mais criticar menos, que Deus os abençoe.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here