Saramandaia, um retrato do Brasil

0
37

Nesta sexta-feira a Rede Globo terminará a novela Saramandaia. Calma, o blogueiro não será colunista de televisão. Tem gente mais capacitada. Mas não dá para deixar de elogiar o autor Ricardo Linhares pela maneira como utilizou a história para abordar um tema sensível e presente todos os dias: o preconceito.

Quem acompanhou a novela viu que apesar de sua inteligência e liderança, João Gibão sofria resistência na cidade por causa de sua corcunda (que na verdade escondia asas), inclusive de sua futura sogra Maria Aparadeira.

Dona Redonda, por sua vez, ao invés de sofrer por bulllyng era a arquiteta das perseguições não só João Gibão como até ao professor Aristóbulo, que em determinadas noites virava lobisomen. Curioso era como o poder econômico encobria algumas “diferenças”. Exemplos: Tibério ficava sentado porque tinha raízes e Zico Rosado ao ficar nervoso, expelia formigas pelo nariz. Sofriam perseguições? Nada disso. Afinal, eram de famílias poderosas na cidade. Tudo era devidamente aceito.

Tudo é ficção, fantasioso e utilizado como entretenimento. Mas pare e pense em nosso cotidiano. Quantos negros capazes, inteligentes, preparados e as vezes até carismáticos não conseguem um lugar ao sol devido ao preconceito obscuro existente no Brasil? Quantos negros pobres, moradores de favelas tiveram acesso a uma educação deficitária e mesmo assim precisam gritar e lutar para terem direito ao processo de cotas nas universidades?

O que dizer então dos homossexuais, que há anos lutam por seus direitos civis e utilizam pessoas que usam a religião como argumento para justificar atos inconsequentes e de violência?

Se pensarmos de modo correto chegaremos a uma triste conclusão: o Brasil não passa de uma grande Saramandaia.

SHARE
Previous articleJogadores querem mudar (para melhor) o calendário. Mas só para meia dúzia de eleitos?
Next articlePor que não leio livros evangélicos…
Elias Aredes Junior é jornalista, radicado na cidade de Campinas, Estado de São Paulo. Trabalha como repórter esportivo para o Jornal Todo Dia de Americana e também como comentarista esportivo para a Radio Central AM de Campinas, 870 KHz. Diariamente participa dos comentários na programação esportiva entre as 18:00 e 20:00, além de comentar jogos de futebol nas transmissões ao vivo da emissora. Aqui ele fala sobre tudo, futebol, esporte, política, religião, entretenimento, cultura, culinária, tudo isso sempre com seu olhar crítico e independente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here