Por que a grande imprensa não admite seus erros?

1
53

Nos últimos dias, a CPI
de Carlinhos Cachoeira ganhou destaque nas emissoras de televisão. Personagens
relacionados à grande imprensa fazem de tudo para não serem convocados. O
delegado envolvido no caso jura de pé junto que não existe a necessidade de
Policarpo Junior, editor de Veja, tinha apenas um relacionamento de fonte com o
contraventor e que por isso não deve ser convocado.

Ok, decisão da Justiça
tem que ser respeitada.

Mas uma pergunta velha e
corriqueira sempre aparece: porque não existe autocritica na imprensa?

Esqueça por um momento
tudo que ocorre em Brasilia. Mire-se no noticiário dos grandes jornais e das
revistas semanais. Fatos e escândalos são relatados todos os dias e posso
considerar normal que uma ou  outra
injustiça seja cometida. Afinal, são seres humanos que estão de frente do
microfone e do computador.

Mas nunca vi qualquer
colunista de renome ou empresa de grande repercussão admitir que errou ao
prejudicar, difamar ou caluniar qualquer pessoa.

Alguns exercem a sua
função de modo imperial e destroem a reputação das pessoas e de instituição sem
dó nem piedade. Não cabe às vezes um pedido de desculpas? Quem acompanhou o
caso da escola base sabe do que falo.

Resumo da ópera: sem uma
dose de humildade, será difícil encontrar evolução em uma parte da imprensa
brasileira. Infelizmente.

SHARE
Previous articleA luta da Ponte Preta para surpreender o mundo da bola
Next articleBrasileirão: a cartolagem erra e os “pequenos” aproveitam
Elias Aredes Junior é jornalista, radicado na cidade de Campinas, Estado de São Paulo. Trabalha como repórter esportivo para o Jornal Todo Dia de Americana e também como comentarista esportivo para a Radio Central AM de Campinas, 870 KHz. Diariamente participa dos comentários na programação esportiva entre as 18:00 e 20:00, além de comentar jogos de futebol nas transmissões ao vivo da emissora. Aqui ele fala sobre tudo, futebol, esporte, política, religião, entretenimento, cultura, culinária, tudo isso sempre com seu olhar crítico e independente.

1 COMMENT

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here