Ponte Preta: o que vale mais: R$ 8 milhões, R$ 14 milhões ou R$ 28 milhões?

0
2

A Ponte Preta venceu o Coritiba por 1 a 0 e ainda respira no Campeonato Brasileiro. Se vencer o Fluminense no próximo sábado entrará definitivamente no grupo que postula sair na zona do rebaixamento, ao contrário do Náutico, já condenado com 17 pontos. Só que no meio dessa trajetória existe a Copa Sul-Americana. O jogo contra o Deportivo Pasto será na terça-feira à noite e o drama será superar o desgaste físico pela viagem em terras colombianas. Após o jogo, novo desafio, que será de esquecer o cansaço e vencer o Vasco da Gama no Moisés Lucarelli.

Independente do resultado no Maracanã, este blogueiro tem opinião formada: alguns titulares desgastados deveriam ser poupados da viagem. Era o sonho da Alvinegra disputar um torneio internacional? Sim. A torcida aguarda com expectativa? Com certeza. Mas além da questão física – que qualquer especialista em Ciência do Esporte poderá atestar – meu argumento também tem base financeira.

A Ponte Preta encontra-se em situação delicada na Série A e as chances de rebaixamento são enormes. Porém, se o milagre for viabilizado, logo de cara está assegurado um contrato de, no mínimo, R$ 28 milhões para a próxima temporada. Afinal, não seria de bom tom abaixar o valor dos direitos de televisão de um time que disputaria a divisão de elite pela terceira vez consecutiva. Em eventual participação na Série B, o contrato teria que ser negociado individualmente com a Rede Globo. Tanto pode ser pago o valor destinado as equipes rebaixadas no ano anterior e participantes da segundona em seu primeiro ano (50% do valor da quantia paga na Série A) quanto o padrão estabelecido para a atual temporada, que é de R$ 8 milhões.

Eu, no lugar do técnico Jorginho e da diretoria da Ponte Preta, destinaria todas as minhas energias na manutenção na divisão de elite. Copa Sul-Americana? Se der, ótimo. Caso contrário, o mundo não vai acabar. Já o rebaixamento, no mínimo, daria um belo terremoto nas finanças do clube. (Foto da Capa: autoria de Rodrigo Villalba)

SHARE
Previous articleQual o futuro do Rádio Esportivo no Brasil?
Next articleSão Paulo: Aloísio, um atleta limitado e previsível vira um héroi anônimo
Elias Aredes Junior é jornalista, radicado na cidade de Campinas, Estado de São Paulo. Trabalha como repórter esportivo para o Jornal Todo Dia de Americana e também como comentarista esportivo para a Radio Central AM de Campinas, 870 KHz. Diariamente participa dos comentários na programação esportiva entre as 18:00 e 20:00, além de comentar jogos de futebol nas transmissões ao vivo da emissora. Aqui ele fala sobre tudo, futebol, esporte, política, religião, entretenimento, cultura, culinária, tudo isso sempre com seu olhar crítico e independente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here