Neymar =Esperança

0
9

Em uma das várias lendas do futebol brasileiro, conta-se que durante a Copa de 1970, o imortal Pelé ficava no vestiário de pernas para cima e sem ninguém ao redor. Se qualquer integrante da comissão técnica tentasse uma aproximação, a resposta de Gerson era imediata:
– Deixa ele lá e não perturba porque a fera vai garantir novo bicho para nós.

Interressante, mas um time com craques do porte de Gerson, Rivelino e Jairzinho viam no homem de 29 anos à época o caminho para a construção da vitória.

Guardada as devidas proporções, o Santos nos últimos dias tomou atitudes semelhantes com Neymar. Fez de tudo para intensificar o seu descanso e reconhece: a chegada à final da Libertadores passa pelos seus pés.

É lógico que o futebol de Arouca é vital, assim como os passes de Paulo Henrique Ganso. Mas a cartada decisiva de Muricy Ramalho, de entrar com três atacantes, só dará resultado se Neymar encontrar-se em noite inspirada. Borges é artilheiro nato e Alan Kardec, com sua volúpia e movimentação dentro da pequena área são opções interessantes para a conclusão e na tentativa de passar pelo paredão corintiano.

Mas podemos fazer a seguinte analogia: os dois centroavantes são os parafusos a serem fixadão no paredão adversário; Ganso e Arouca serão os operários responsáveis em conduzir a peça fundamental da engrenagem: o futebol incisivo e cortante de Neymar, que como uma furadeira tem que ser bem conduzido a furar o espaço correto. Não pode errar.

Se o plano for bem conduzido, não são desprezíveis as possibilidades de presenciarmos uma vitória por dois gols do Santos. O premiaria uma equipe que vive drama: é bem posicionada, conta com um talento fenomenal, mas o seu treinador não conseguiu aplicar jogadas que livrem sua equipe da dependência de Neymar.

 

SHARE
Previous articleSão Paulo: uma final para alimentar o ego
Next articleCorinthians, a três passos do Paraíso
Elias Aredes Junior é jornalista, radicado na cidade de Campinas, Estado de São Paulo. Trabalha como repórter esportivo para o Jornal Todo Dia de Americana e também como comentarista esportivo para a Radio Central AM de Campinas, 870 KHz. Diariamente participa dos comentários na programação esportiva entre as 18:00 e 20:00, além de comentar jogos de futebol nas transmissões ao vivo da emissora. Aqui ele fala sobre tudo, futebol, esporte, política, religião, entretenimento, cultura, culinária, tudo isso sempre com seu olhar crítico e independente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here