Guarani: uma eleição para mostrar o processo de destruição de uma marca

0
8

O tempo passa de modo veloz e os prejuízos muitas vezes são ignorados. O fenômeno é vivido de perto pelo Guarani, que na próxima terça-feira viverá eleições para escolher o novo Conselho de Administração e os novos componentes do Conselho Deliberativo. Mas quem pensa que irei descrever virtudes e defeitos dos candidatos, está completamente enganado. Quero aproveitar este espaço para comprovar como a eleição é a prova cabal de como o Guarani apequenou-se e seus dirigentes destruíram algo que tinha bases sólidas.

Ao fazer uma pesquisa no Acervo do Jornal “O Estado de São Paulo” verifiquei a noticia sobre a vitória do então empresário de construção civil Beto Zini nas eleições realizadas no dia 05 de novembro de 1997. Na ocasião, Zini teve 1993 votos enquanto que Leonel Martins de Oliveira, então presidente, recebeu 1461 votos. Na época, os jornais da época diziam que Zini derrotou os cardeais do clube. A disputa era acirrada e equilibrada.

Faça um corte no tempo. Em abril de 2011, o Guarani viveu eleições presidenciais e Leonel Martins de Oliveira concorreu novamente ao cargo. Derrotou Horley Senna com 364 votos enquanto Senna teve 168 votos.

Para o pleito desta terça-feira, os aptos a votarem devem ser de, no total, aproximadamente 700 votos.

Independente do vencedor, esses números comprovam algo que é inequívoco: o Guarani está distante do seu torcedor, o associado não representa um contingente relevante e as dificuldades financeiras colocam desafios ainda mais complexos no horizonte. Que o próximo ocupante do cargo tenha sabedoria para sair desta cilada. Não será fácil.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here